domingo, 18 de outubro de 2009

HOMENAGEM AO VIVER

Graças à Vida



Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me dio dos luceros que cuando los abro Me deu dois luzeiros que quando os abro
Perfecto distingo lo negro del blanco Perfeito distinguo o preto do branco
Y en el alto cielo su fondo estrellado E no alto céu seu fundo estrelado
Y en las multitudes el hombre que yo amo E nas multidões o homem que eu amo


Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me ha dado el oído que en todo su ancho Me deu o ouvido que em todo seu comprimento
Graba noche y día grillos y canarios Grava noite e dia grilos e canários
Martirios, turbinas, ladridos, chubascos Martírios, turbinas, latidos, aguaceiros
Y la voz tan tierna de mi bien amado E a voz tão terna de meu bem amado


Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me ha dado el sonido y el abecedario Me deu o som e o abecedário
Con él, las palabras que pienso y declaro Com ele, as palavras que penso e declaro
Madre, amigo, hermano Mãe, amigo, irmão
Y luz alumbrando la ruta del alma del que estoy amando E luz iluminando a rota da alma do que estou amando


Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me ha dado la marcha de mis pies cansados Me deu a marcha de meus pés cansados
Con ellos anduve ciudades y charcos Com eles andei cidades e charcos
Playas y desiertos, montañas y llanos Praias e desertos, montanhas e planícies
Y la casa tuya, tu calle y tu patio E a casa sua, sua rua e seu pátio


Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me dio el corazón que agita su marco Me deu o coração que agita seu marco
Cuando miro el fruto del cerebro humano Quando olho o fruto do cérebro humano
Cuando miro el bueno tan lejos del malo Quando olho o bom tão longe do mal
Cuando miro el fondo de tus ojos claros Quando olho o fundo de seus olhos claros


Gracias a la vida que me ha dado tantoGraças à vida que me deu tanto
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto Me deu o risoe me deu o pranto
Así yo distingo dicha de quebranto Assim eu distinguo fortuna de quebranto
Los dos materiales que forman mi canto Os dois materiais que formam meu canto
Y el canto de ustedes que es el mismo canto E o canto de vocês que é o mesmo canto
Y el canto de todos que es mi propio canto E o canto de todos que é meu próprio canto


Adoro esta canção da Mercedes Sosa e a ouvi mil vezes na minha juventude.

3 comentários:

  1. Obrigada pela linda visitinha lá no Compartilhando as Letras. Coloquei uma linda postagem:
    ” Todas as cartas de amor são ridículas.Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas…”

    http://compartilhandoasletras.com/?p=1740
    Te aguardo lá.Beijão

    ResponderExcluir
  2. Olá Iolanda, td bom??
    Vim te agradecer pela visita e dizer que ja arrumei o endereço do meu picassa, obrigada pelo toque.
    Maravilhoso seu blog, parabéns!!
    Vi que vc é de Maringá, estive ai no começo do ano e amei. O namorado da minha filha estuda na UEM no curso de engenharia (1ºano), minha filha ia fazer Secretariado Executivo mas acabou desistindo e esta fazendo Direito aqui msm.
    Uma ótima semana.
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. oi Oioi!!!!
    Realmente essa letra cantada por Mercedes Sosa é emocionante...ela consegue dar vida às palavras...tão belas! Linda homenagem!
    Obrigada pela visita! Seu site é muito lindo.
    Bjs amiga!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Para certificar-se de que o seu comentário foi postado, verifique se a frase: "Seu comentário estará visível depois de ser aprovado" aparece na tela.
Volte sempre!